old english sheepdog

54731025_2271853496414209_23274832319993
milawish corgi

HISTÓRIA

O Old English Sheepdog nasceu seguramente como cão de trabalho de "pastor" e de "rebanho" já nos 1700, quando a industria de lã e textil, e portanto a ovino-cultura, em Inglaterra passa a ser uma actividade muito remunerativa.

Logo, cada raça de pastor nasce por exigências particulares e para desenvolver funções muito especificas.

Por este motivo, quando se lê um standard da raça, é muito importante aprofundar a origem e o porque, que geralmente não tem uma referencia só à nação de propriedade, mas mesmo às regiões ou áreas especificas, onde aquele cão foi selecionado, por pastores e criadores que naquele lugar tinham exigências únicas.

Na verdade, os cães de pastor eram chamadas para desenvolver várias funções, com animais que tinham tamanhos e comportamentos diferentes, com a tarefa de proteger o gado ou de o conduzir, trabalhando em terrenos lamacentos ou secos, com os climas mais díspares e com diferentes técnicas de trabalho.

O Old English Sheepdog trabalhava com ovelhas, mas também com gado, além de ser um excelente guardião. Devido ao seu tamanho, era muito utilizado com gado, apesar da sua agilidade e astúcia, com uma inteligência marcante, o tornasse ideal na condução de ovelhas. De facto, a sua elasticidade, derivada da sua construção e do seu caráter, facilitou a tarefa de guiar as ovelhas do sul da Inglaterra, sem as stressar - como alguns pastores da época poderiam fazer - e sem que estas perdessem os seus cordeiros, e diminuir a produção de leite!

Acima de tudo, não podia ser um cão muito desconfiado, porque ao acompanhar o rebanho ao mercado com o pastor, não podia intimidar os eventuais compradores.

 

O Old English Sheepdog vem de pastores de origem inglesas com o suporte dos grandes cães da Russia meridional, os Owtcharka, que foram os antecessores de muitos cães de pastor que se transformaram numa parte essencial do trabalho de criadores de gado e de fatores de toda a Europa, mas também de cães de pastor do tipo Bergamasco, Polish Lowland, Puli etc.

De qualquer forma, a origem da raça continua inglesa, ao ponto de ser considerado o velho cão de pastor inglês, conhecido também como bobtail (pela falta de cauda).

PERSONALIDADE e Cuidados

A sua personalidade é de facto especial. Um cão sempre atento, nunca agressivo, óptimo companheiro de vida... adapta-se a qualquer estilo de vida possível, basta que possa sempre viver junto à sua família humana. Vive muito bem com outros cães e obviamente com outros animais domésticos. Ama a vida de campo mas não desdenha a de cidade. Pode viver em amplos espaços de periferia ou num T0 numa grande cidade. O importante é dedicar tempo para que se exercite e sobretudo à sua vontade de agradar os seus amigos humanos.

Espaços grandes não servem para nada se não os pode partilhar com quem ama.

É um cão extremamente fácil e dúctil. Cada comando passa a ser instintivamente simples de seguir, se apenas for consistente. Ama até à loucura todos os membros da sua família. Pode realizar muitos tipos de trabalho, do obedience ao agility. É um óptimo guardião da sua propriedade... enfim, é realmente um cão polivalente e resistente.

SaúdE

Se provenir de uma selecção séria da raça, são extremamente controlados em termos genéticos e pouco expostos a riscos de doenças hereditárias.

É um cão saudável e de longa vida. 

Pelo, cores e grooming

A manutenção do pelo poderia desencorajar um pouco, mas na realidade uma manutenção semanal é o suficiente para garantir o máximo da sua beleza. 

Não é de todo um cão para escovar todos os dias se o pelo tiver a qualidade correcta!!!

Um banho de vez em quando nas zonas mais expostas e brancas, como as barbas e "zonas intimas", e uma escovadela profunda, garantem um OES sempre em forma. Escova-lo depois transforma-se num ritual agradável em que todos os Old English Sheepdog se deixam levar de bom grado. O contacto com o cão deitado de um lado que se deixa disponível aos nossos cuidados, torna-se "terapeutico" após longos e apressados dias de trabalho.

crianças e outros animais

Viver com um OES torna-se numa experiência única. Ter a honra de partilhar um afecto tão grande e profundo e uma dedicação total ao dono é uma sorte rara. A sua lealdade e o seu temperamento seguro dão uma extrema confiança à raça. São óptimos cães utilizados no Pet Therapy, e são extremamente gentis também com os pequenos humanos!

Pela função que foi selecionado pelo homem é de facto um cão elástico por dentro e por fora!!!!

Matteo Autolitano

O primeiro standard oficial da raça foi escrito em 1888.

 

O Old English Sheepdog é um cão de aspecto forte e compacto, de grande simetria, com formas "redondas", com uma grande musculatura e elasticidade.

Não deve de todo ser alto de pata, mas ser sempre forte e de tronco curto, com um pelo profuso em todo o corpo e com a típica textura áspera e com sub pelo.

Uma das características distintas do OES é a sua "top line" que sobe docemente dos ombros até à garupa, é uma característica muito típica.

Visto de cima tem que ter uma forma característica de pera, o que faz com que o cão pareça mais largo no quarto traseiro, sempre muito musculado, che non al garrese, com escápulas bem inclinadas e muito próximas na ponta. Esta característica dá-lhe um verdadeiro aspecto de urso, visível desde quando é um cachorro.

A sua traseira, larga e naturalmente mais elevada, tornam-no único no seu aspecto.

O pescoço é forte e suficientemente comprido, proporcionado ao corpo, é ligeiramente arqueado, como o standard diz “arched gracefully”, que lhe serve mesmo de balança para a cabeça, que pode naturalmente ser levada mais baixa durante o movimento. A cabeça tem um cranio largo e chato, com um stop bem definido e um focinho largo e proporcional mas não comprido, e que acaba com um nariz com narinas amplas e muito escuro.

Os olhos devem ser de cor escura com as pálpebras de preferência pigmentadas, olhos azuis (wall eyes) não são um defeito e não são raros, dois olhos azuis também são aceitáveis, sendo que olhos claros são indesejáveis.

 

As orelhas devem ser levadas baixas e bem ligadas aos lados da cabeça, com menos pelo que o resto do corpo.

O pelo, não faz mais que enfatizar a unicidade deste cão de facto especial, na verdade a profusão do pelo é abundante em todo o corpo, também na cabeça e em frente aos olhos.

O pelo tem uma textura áspera, comprido e ondulado, nem liso nem encaracolado, com um rico sub pelo com qualidades hidro repelentes, abundante em todo o seu corpo, cabeça, pescoço e pernas dianteiras bem fornidas de pelo, quartos traseiros com maior profusão. A qualidade e a tecelagem são de maior importância em comparação à profusão e comprimento.

A cor é tipicamente branca e cinzenta.

 

Cabeça, pescoço, patas dianteiras e barriga devem ser brancos com ou sem manchas cinzentas. Todo o quarto traseiro sem manchas brancas, que na Europa são desencorajadas, enquanto que no Standard Americano são aceites. Os jarretes podem ser brancos ou cinzentos.

Os tons de cinzentos são todos admitidos, variando do cinzento claro ao escuro, grisalho e azul, ate ao azul pombo. O castanho é de desencorajar, apesar de que nas fases de desenvolvimento, na passagem de pelo de cachorro ao de adulto, pode-se apresentar durante um curto periodo.

Os cachorros nascem com um pelo de cor preta na traseira (podem nascer naturalmente já cinzentos “blue born”, mas é bastante raro), que depois começa a mudar de cor e textura durante o crescimento. Um pelo maduro tem se por norma depois dos três anos de idade, melhor ainda aos quatro, periodo este em que o cão exprime todas as suas potencialidades.

 

Um cão muito elastico e "sound" no movimento, à passada tem um rolo de urso da traseira muito tipico, quando trota tem um impulso forte que vem da traseira e um alongamento da frente com uma boa oscilação de ombro, que o consentem cobrir muito terreno com poucas passadas, isto graças ao facto de ter que ter umas boas angulações na frente e na traseira. A galope deve ser muito elastico.

Apesar do seu tamanho é muito elástico.

Em altura, os machos devem ser altos no mínimo 61cm ao GARRESE, enquanto as fêmeas no minimo 56cm, ligeiramente menos do que no standard Americano. 

O Tipo e a simetria são de grande importância e, como diz o standard, não devem ser nunca sacrificados ao pelo tamanho.